Como treinar seu cachorro para segurança residencial

Engana-se quem associa os cães de guarda a animais violentos e de personalidade raivosa.

Pelo contrário, eles podem conviver de maneira harmônica com familiares e amigos, desde que o adestramento tenha sido feito de maneira efetiva.

Fazendo as vezes de melhor amigo do homem, muitos cães acabam ganhando a responsabilidade de proteger a família e preservar pelo bem-estar da casa.

Porém, para ter essa função, alguns fatores precisam de destaque para entender como se comporta o pet:

  • Raça;
  • Temperamento;
  • Personalidade;
  • Treinamento;
  • Entre outros.

Vocação

Basicamente todas as raças de cachorro defendem, mesmo que de forma instintiva, a casa.
Enquanto alguns se limitam a latir, outros podem chegar a atacar.

Por isso, a raça é sim um fator resolutivo.

Cada uma apresenta inúmeras particularidades: enquanto algumas são mais calminhas e dengosas, outras possuem um caráter mais atento e protetor.

Esse último perfil pode se enquadrar como um bom cão de guarda.

É importante perceber que o treinamento eduque os cães a desenvolverem comportamentos mais voltados à defesa e proteção, mas isso não impede que eles sejam carinhosos e afetuosos com a família.

Em uma longa lista de raças existentes, algumas se sobressaem pelo seu porte e força física, além da personalidade já discutida, como o pastor-alemão, rottweiler, dobermann, boxer, dentre outros.

Já a personalidade e o adestramento bem feito, são também questões essenciais.

Afinal, assim como um ser humano precisa ter vocação para atuar em determinada área, o animal também precisa.

É importante ressaltar, porém, que apenas o propósito de ter um Cão de guarda segurança não é válido.

O trabalho precisa ser realizado de forma efetiva e plena desde a infância, para que o tutor consiga representar o papel de líder, quanto na questão da socialização.

Por isso, é fundamental que haja a busca por um profissional especializado.

Adestramento

Assim como a educação de uma criança, o adestramento deve ser iniciado desde muito cedo.

Especialistas destacam que, aos três meses, os pets já estão aptos ao treinamento de obediência.

Nesse tipo de capacitação, são incluídos comandos básicos como sentar e sair.

Antes de se completar a idade adulta, que chega entre os 7 e 8 anos, é imprescindível que se tenha completado a outra etapa, a de guarda.

Em casos nos quais o cachorro é preparado para vigiar canteiro de obras ou empresas, o acompanhamento chega a ser realizado diariamente.

Para se ter esse tipo de posicionamento, é fundamental ter um Adestrador de cachorro de confiança para acompanhar o desenvolvimento do animal.

Dentre os benefícios do adestramento estão a melhora do vínculo afetivo, correção de comportamentos, comunicação efetiva entre tutor e cão, entre outros.

No contexto de mercado para pets, o surgimento por serviços relacionados aos animais domésticos apenas cresce.

Nessa realidade, a busca por “Escola para cães em sp” já é possível.

Com a função de oferecer uma saída para quem tem interesse em cães adestrados, mas não tem tempo para realizar o treinamento por si.

Atualmente a diversidade de escolas para os animais é impressionante.

Inclusive, há uma expansão de serviços associados: algumas empresas já oferecem até mesmo hospedagens e palestras para os donos do pet.

Aulas especiais para os cachorros e seus tutores são de fácil acesso por todo o país, nas quais tanto o cão como o dono recebem certificações.

Também voltado para os donos de pets que têm uma vida corrida e prezam pelo bem-estar do companheiro, o Day care ou creche para cachorro, como é popularmente conhecida, oferecem diversos benefícios.

Fazendo um paralelo com as creches para crianças, no caso dos animais também há uma preocupação com o desenvolvimento e socialização.

Exposto à convivência com outros cães, o pet é encorajado por meio de diversas dinâmicas.

O objetivo é enriquecer estímulos que vão de encontro às necessidades relacionadas ao instinto canino, como farejar, buscar etc.

As creches possuem um papel importante no desenvolvimento do animalzinho, como no gasto de energia, além da relação de obediência, no comportamento e no próprio psicológico do pet.

Formar um cão de guarda passa por um processo de cuidado e dedicação destinados ao pet. A educação, o carinho e o respeito ao animal são fatores fundamentais nesse caminho.

Oferecer espaço para que ele se desenvolva é uma tendência positiva que pode ser um fator interessante nessa busca também de benefício para as famílias dos cães.

Deixe uma resposta