Motivos para fazer a adoção de um animal

As ONGs de proteção animal e os Centros de Controle de Zoonoses sempre estão com os  lotados, principalmente no fim e no começo do ano, porque muitas pessoas usam essa época de férias para abandonar os animais, por não terem como levar ou com quem deixá-los.

Isso acaba gerando uma superlotação dos abrigos, que não conseguem proporcionar qualidade de vida, alimentação adequada e carinho a todos os animais.

Por esse motivo, a cada dia que passa, os projetos de conscientização que estimulam a adoção de animais estão aumentando.

Existem diversos animais espalhados por todo o país, como cachorros e cães de todos os tamanhos, raças e idades. Comprar um animal pode estar ligado ao financiamento de práticas abusivas contra os animais.

Os animais comprados, normalmente, vêm de um criadouro. Nele, uma fêmea é escolhida para ser matriz e, em todo o cio, são amarradas e obrigadas a cruzar para conseguir gerar um fillhote.

Depois que elas ficam velhas e não conseguem mais se reproduzir, elas são descartadas ou mortas. Alguns machos também vivem nesses locais apenas com a função de cruzar.

Os filhotes gerados são vendidos em feiras, presos em gaiolas. Devido a tudo isso, a ideia de adotar cachorro ou gato deve estar cada vez mais presente na cabeça das pessoas.

Porém, antes de fazer a adoção,, é necessário levar em conta todos os aspectos que envolvem a criação de um animal.

O animal adotado requer tempo, atenção e há diversas despesas com alimentação, saúde (consultas veterinárias, vacina, remédios), higiene, entre outras. Por isso, é importante balancear se há disposição e condições para cuidar do pet da melhor forma possível.

Entre os principais motivos para adotar um animal, estão:

  • Salvar uma vida
  • Ter um novo companheiro
  • Os vira-latas possuem uma saúde mais forte
  • Os vira-latas são mais flexíveis do que os cachorros de raça
  • Um cachorro adulto pode dar menos trabalho

Calendário de vacinação de cachorros

Assim como os humanos, os cachorros também devem possuir um cartão de vacinação com todas as vacinas que são necessárias para evitar algumas doenças que podem ameaçar a saúde deles e também dos seus donos.

Procurar uma clinica vacinação de confiança que faça a aplicação de todas essas vacinas é um cuidado que deve ser tomado para quem possui pets.

As vacinas que são obrigatórias nesse calendário são as múltiplas ou polivalentes, além da v8 e v10 e a vacina anti-rábica.

Para proteger os cães de doenças graves como cinomose, hepatite infecciose canina, leptospirose, parvovirose, adenovirose, coronavirose e parainfluenza canina, é necessário tomar as vacinaws v8 e v10.

Já para proteger contra raiva, a vacina é a anti-rábica. As doenças que podem ser transmitidas para o ser humano são conhecidas como zoonoses, e algumas dessas citadas acima, se enquadram nesse título.

Algumas outras vacinas são muito importantes também e podem garantir a segurança da saúde do seu animal, como as que protegem contra a leishmaniose, a giárdia, a tosse dos cães e pulgas.

Por isso, é fundamental que o cachorro seja acompanhado por um médico veterinário, capaz de orientar sobre a necessidade de todas essas vacinas, de acordo com o estilo de vida de cada um.

Como adotar um cachorro

Existem alguns requisitos que devem ser cumpridos na hora de adotar um animal, seja ele um cachorro ou gatos para adoção.


Quem for adotar deve ter no mínimo vinte e um anos, apresentar documentos como rg, cpf e comprovante de endereço, além de assinar um termo se tornando o responsável por cuidar daquele pet.

Em alguns lugares específicios, há o preenchimento de um cadastro com outros detalhes mais aprofundados sobre o dono e também sobre como vai ser o dia a dia do cão, sobre como é a casa onde ele vai morar, se você já teve ou possui algum outro animal.

Tudo isso serve como forma de orientação para que os profissionais que trabalham nas ONGs ou nos outros abrigos de animais consigam entender o perfil do dono e indicar qual o animal que mais vai se adaptar com aquele estilo de vida, e vice versa.

Os primeiros dias após a adoção podem ser um pouco complicados, pois tanto o dono quanto o animal estão aprendendo a se relacionar um com o outro.  Mas, essa fase logo passa!

Deixe uma resposta